Selo ADIPEC


20.09.2011

Um dos setores mais impactados com a prática da pirataria/falsificação é o da perfumaria e de cosméticos importados. Os níveis são, assustadoramente, altos. Sabendo desse problema, no  setor cosmético brasileiro, a Associação dos Distribuidores e Importadores de Perfumes, Cosméticos e Similares (ADIPEC), elaborou uma “Cartilha sobre a Pirataria de Perfumes e Cosméticos“, com conceitos essenciais sobre a pirataria e implantou há alguns anos o Selo de Garantia de Procedência que lacra embalagens de perfumes importados. Ele é destinado a selar os produtos legalmente importados, ação que os diferencia dos produtos ilegais e contrafeitos.

A Rayssa Imports tem o compromisso ético e moral de jamais vender produtos que não sejam fornecidos por distribuidores ou fornecedores oficiais das marcas apresentadas nas lojas. Além disso, também temos o interesse que você saiba reconhecer um produto legítimo  e a importância que a procedência tem em seu dia a dia.

Assim, além de proteger os interesses dos consumidores, o Selo protege também aqueles estabelecimentos que respeitam as normas vigentes no país.

Como identificar um perfume falsificado?

O senso comum atrela a fixação da fragrância à originalidade do perfume. Esse é um erro bastante comum, embora com razoável fundamento. Isso porque o álcool utilizado na fabricação de perfumes originais é de qualidade muito superior à de perfumes fabricados clandestinamente.

Entretanto, a fixação deve ser um dos últimos critérios a serem utilizados por alguém  para verificação da originalidade de um perfume. Isso porque o “tempo de duração” de um perfume depende de fatores externos como a umidade do ar, a limpeza da pele ou da roupa, a temperatura do ambiente, a transpiração, entre outros.

Detalhes como a qualidade do frasco, da tampa e da embalagem, assim como o peso e textura dos materiais, figuram, na grande maioria das vezes, a parte mais delicada e sofisticada de um perfume, consequentemente, podem representar a parte mais cara de todo o produto, sendo, portanto, a mais difíceis de se falsificar.

Outro item muito importante no que se refere a certificação da originalidade de um frasco é o selo da ADIPEC e o número de lote de fabricação.

Por fim , para concluir seu processo de verificação e saber se um perfume é legalmente importado, devem ser feitas pela identificação, sempre através da rotulagem: do prazo de validade, conteúdo, lista de ingredientes e do CNPJ do importador e/ou do distribuidor. Todo o produto é obrigado a ter uma etiqueta colada na sua embalagem secundária (o cartucho de cartolina ou o invólucro de filme de celofane e/ou polipropileno), contendo as seguintes informações:

- Precauções de segurança de uso

- Lista dos ingredientes

- Conteúdo líquido do frasco (ml)

- Nome do País de origem

- Prazo de validade

Acesse:

http://www.adipec.com.br/

 

 

 

 

Um dos setores mais impactados com a prática da pirataria/falsificação é o da perfumaria e de cosméticos importados. Os níveis são, assustadoramente, altos. Sabendo desse problema, no  setor cosmético brasileiro, a Associação dos Distribuidores e Importadores de Perfumes, Cosméticos e Similares (ADIPEC), elaborou uma “Cartilha sobre a Pirataria de Perfumes e Cosméticos“, com conceitos essenciais sobre a pirataria e implantou há alguns anos o Selo de Garantia de Procedência que lacra embalagens de perfumes importados. Ele é destinado a selar os produtos legalmente importados, ação que os diferencia dos produtos ilegais e contrafeitos.

Lançamento